terça-feira, 26 de julho de 2011

Me sinto estranha.
As coisas estão diferentes. Eu estou diferente. Coisas a que antes eu dava grande importância, hoje ficam em segundo plano. Trocaram-se os papéis.
Talvez eu tenha crescido. Com relação a tudo.
Foi melhor. Claro que foi melhor.
Sinto que ainda ficou um buraco, alguma coisa não resolvida no passado. E que se eu não acertar as contas, alguns desses monstros sempre irão me atormentar. Mas não sei bem se tenho coragem de arriscar viver tudo de novo apenas pelo reparo dessa falha – que eu nem sei de fato o que é.

Sabe quando você come demais por 3 dias e se sente um lixo quando se dá conta de qual é a real?
Já imaginou sentir-se assim, pelo resto da vida, toda vez que se come demais ou algo fora do plano?
Enquanto o equilíbrio é mantido é fácil aguentar. Mas e quando não, vai toda vez haver uma droga de recaída que irá durar meses?
É, eu não quero ser assim pra sempre. Isso tudo já tirou de mim mais do que devia.
Mas não é simples lutar contra algo que está dentro de você, algo que É você. E que em vários momentos do dia dão um jeito de te lembrar que estão ali, por perto.
O tempo todo.


15 comentários:

Rose Cassée disse...

Eu tava com saudades de ler os teus posts... Além de nosso sorriso... SEMPRE há uma lágrima... Ou muitas...

Força ♥

voadora disse...

Me identifico muito com você!

Cinderela frustrada disse...

Linda, é triste ler essas palavras, espero melhoras ae ;)

Ramona disse...

Para curar uma ferida, temos duas opções, parar de cutucar, e deixar que tudo se resolva por si mesmo, ou, quando o caso é mais grave, temos que cutucar pra valer, remover as impurezas, e tratar. Não sei qual tipo é a sua. Mas sei que para nos curar temos que fazer coisas que não queremos, e deixar hábitos que sempre tivemos. Mas será que vale a pena viver com dor só para não tomar o remédio amargo?

PS: Que bom que voltou, é sempre bom postar para desabafar!

Anônimo disse...

Gostei MUITO do post e do comentário acima. Concordo plenamente. Meu, eu não sei qual o "estágio" que você está, mas eu saí de uma internação vai fazer um ano dia 01\09, eu melhorei muito física e emocionalmente, mas hoje eu ainda me pergunto se eu vou viver o resto da vida com a sensação de nojo toda vez que eu comer um pouco mais ou fora do planejado, tipo a mesma coisa que você colocou. Mas eu acho que não. A gente ainda não está curada, por isso que a gente se sente assim e acha que isso não vai acabar. Mas vai, eu tenho certeza, porque uma hora isso não vai mais se encaixar nos nossos planos de vida. E dói muito lutar contra os pensamentos de emagrecer, meu Deus como dói, mas para sermos realmente felizes vale a pena doer esse tanto :)

Gláucia Cristina disse...

Olá, tudo bem?
Sou jornalista e estou escrevendo uma matéria sobre como as meninas com anorexia encaram a vida. Gostaria de saber se vc topa me dar um depoimento sobre isso. Se quiser, por favor, me envie um e-mail: glaucia.cristin@gmail.com
Obrigada.

Andie disse...

Gostei muito de ter passado aqui muitas vezes e, apesar de não comentar, sempre desejei que essa jovem escritora, para quem falo agora, seguisse sua vida fazendo as melhores escolhas possíveis. Porque às vezes o que parece fácil, nem sempre é o melhor. O caminho é estreito e cheio de armadilhas, por isso, é preciso força. Não falo da força pra seguir dietas ou afins, falo daquela força suprema que nos faz seguir adiante, buscando sempre o melhor para a nossa vida.

Se quiser, querida, pode me mandar um e-mail: andie_doumeki@hotmail.com


=***
Fique com DEUS!

Meg disse...

Oii. Eu espero que vc realmente consiga melhora e que vc não deixe o blog, parabéns pela maneira como escreve, amo ler teus posts(:
bjoo :*

Anônimo disse...

how many time i do not do what i want to do but do what i dont want to do

Raffaela Miriam disse...

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e meu fardo é leve."

Querida saiba que Jesus Cristo pode te ajudar, creia Nele e busque seus caminhos.
Posso ajudá-la...

raffaela.jhs@gmail.com

Pucca disse...

Saudade!

Vanessa Lampert disse...

Anne, cheguei no seu blog pelo google e li um post de 2007. Vim ver os mais recentes, na esperança de encontrar algum dizendo que você havia se libertado desse mal e agora tinha algum outro blog, longe da escuridão. Porque, sabe, em 2007 eu também estava na escuridão, e também achava que aquilo era minha vida, que aquilo era eu. Não é. "Mas não é simples lutar contra algo que está dentro de você, algo que É você. " Está em você, mas não é você. Não deixe que te convença de que é você. Você não sabe quem é você, pois nunca conviveu consigo mesma sem essas influências.

Eu achava que queria morrer, até me dar conta de que não era que eu não queria viver, eu só não queria mais aquela vida. Então busquei uma nova vida. Eu disse para Deus: "eu quero uma nova vida e aqui todo mundo fala em nascer de novo, não é? Então me comprometo a me esforçar no que eu posso, mas quero que o senhor me ajude naquilo que eu não consigo sozinha. Porque eu não consigo sozinha". E ele me ajudou, mas se eu não desse esse espaço para ele, ele não poderia me ajudar, porque não brinca de marionetes aqui. Eu só consegui me conhecer de verdade quando quis conhecê-lo, não só de ouvir falar (descobri, aliás, que a maioria dos que me falavam de Deus não o conheciam).

Até agora você tem lutado na força do seu braço. O que te custa tentar ver por conta própria se o que eu estou te dizendo é verdade ou não? Você está com raiva do cara errado, achando que Deus é, de alguma forma, responsável pela destruição de sua família, e seu pai se equivoca ao dizer que "Deus colheu uma rosa de seu jardim", não é Deus quem traz destruição, nem dor, nem sofrimento, nem nada disso. Quem está trazendo essas coisas é o que você chama de "qualquer coisa de muito auto-destrutivo em nossa linhagem". É dessa coisa que Deus (o de verdade, não essa ideia que você tem na sua cabeça) pode - e quer - te libertar. Cogite a hipótese de a ideia que você tem de Deus ser distorcida, e de ele ser um cara que quer muito te ajudar e te alcançar de alguma forma, dentro desse casulo em que você se escondeu. O que te custa tentar ver por conta própria se o que eu estou te dizendo é verdade ou não? O que você tem a perder?

Descobri que grande parte dos meus pensamentos nem eram meus e que aquilo que estava me destruindo não era eu. Era essa coisa auto-destrutiva que queria me fazer acreditar que fazia parte de mim. Acredite em mim, não vai ser assim para toda a vida. O dia que você quiser se livrar disso de verdade e buscar a ajuda que eu busquei, vai se libertar para sempre, como aconteceu comigo. E vai ter nojo dessa coisa, como se jamais tivesse feito parte de sua vida. Porque você terá uma nova vida. Tudo novo. Vai pensar diferente, ver diferente, entender diferente... Por dentro, sem aquela angústia, sem o desespero, sem o vazio, sem a dor, sem o caos, sem o sofrimento, sem a escuridão. Só a força para enfrentar qualquer coisa, a paz, tranquilidade, estabilidade emocional e alegria, uma vida de verdade, coisas que pareciam utópicas para mim. Não é fácil, não foi fácil, mas é diferente entrar em uma luta sabendo que, no final, irá vencer. Em breve eu creio que terei excelentes notícias suas.

Beijos!

Mariana disse...

Você também não irá voltar mais?
Seu blog é muito especial...

Wing~ disse...

As vezes eu me sinto exatamente assim. Tenho crises de choro e penso que não é o quero para o resto da minha vida. Depois eu volto ao meu juízo normal e penso que preciso fazer isso se quiser chegar onde sonhos, e tenho recaídas. A cabeça é assim mesmo, com idas e vindas. Se você quiser realmente sair dessa, tem que procurar ajuda e querer realmente isso. Enquanto forem apenas lapsos de idas e vindas não é real a vontade de sair. :/

Espero que você fique bem flor, é horrível sentir-se assim.

LILI disse...

Olá!
È lindo o modo como escreve, realmente sabe expressar todos os sentimentos com palavras e jeito simples.
Li todo o seu blog e gostaria de saber o final, é como ler um livro e quando se chega nas últimas páginas elas estão rasgadas.
Espero que esteja da melhor maneira possível, feito as melhores escolhas.