terça-feira, 2 de setembro de 2014

Meu avô foi embora também. Já faz duas semanas, mas só agora consegui pensar a respeito e vir escrever. Foi a morte mais triste que já vi, e ao mesmo tempo a mais bonita. Desde que minha avó morreu, ele só sabia dizer que queria morrer, encontrá-la. Não queria mais comer, e mal tinha forças para falar. A saúde dele era impecável – talvez melhor que a minha. Ele não teve uma morte por nenhuma causa orgânica específica; o corpo dele simplesmente parou de funcionar porque ele desistiu de viver no exato minuto em que minha avó se foi. Ainda passou três meses definhando na cama.
Isso acabou comigo. Estava cagando para a minha avó, mas com ele eu me importava. Inclusive cheguei a odiá-la mais ainda por deixá-lo aqui sofrendo daquela forma.
Antes de tudo isso acontecer eu já estava pendurada em um beiral de alguma janela, e ainda não consegui me reerguer. Ainda – como sempre, - para ajudar, minha mãe viaja para ficar com uma tia no hospital, meu pai vai com o meu avô no hospital, e eu fico sozinha em casa. Eu sei que é egoísmo, ninguém deveria se preocupar comigo com todos esses problemas de vida ou morte rolando.
Minha cabeça dói, e eu sei que é porque não estou comendo. Já tomei o remédio de dormir e estou esperando fazer efeito. Preciso de forças pra sair dessa e tudo o que eu consigo fazer é sabotar toda e qualquer possibilidade de melhora que me apareça. Acho que espero um milagre do tipo que, eu acorde em uma linda manhã ensolarada, feliz e disposta (porque meus remédios alcançaram o devido equilíbrio químico do meu cérebro), e então eu saia para o trabalho e um unicórnio me pegue na porta de casa e vá de encontro aos meus amigos (enquanto solta arco-íris pela bunda). Depois vamos todos correr de mãos dadas pelo arco-íris de encontro ao pote de ouro.
Não.
Eu reconheço ter uma vida bacana e, muito provavelmente, isso me deprima ainda mais. Se não consigo ser feliz e me amar tendo uma vida boa, saúde, família, estudar e trabalhar com o que gosto, quando então que serei feliz?
Quero resolver minha vida, de verdade. Quero poder ser alguém transparente e não precisar ter segredos com ninguém. Quero parar de fumar, beber, guardar minhas opiniões e vontades, tudo. Quero ser limpa, do tipo que, caso eu morra amanhã, não haja problema algum com o que vão encontrar no meu quarto, computador ou meu corpo. Não quero mais fazer ninguém triste ou decepcionado. Nunca mais.

4 comentários:

Alie disse...

As vezes quando eu me sinto só no mundo(e atencao da minha familia nao ajuda em nada, pelo contrario, odeio) eu gosto de enganar alguem e fazer me amar rs. Acho que é o que melhor resolve minha depressão, apesar de ser tudo mentirinha eu acho que soltando a verdade aos poucos a pessoa se acostuma com o monstro que sou, tipo, tá tarde demais, já criou dependencia por mim rs.
Mais saudavel essa tua visao de que melhorar seria poder ser alguem melhor. Corre atras disso se é o que voce pensa que vai te salvar.

Queen B disse...

Entendo bem como se sente, como se a felicidade nunca chegasse. Ás vezes penso se sou mesmo merecedor da felicidade, não sei.
Bom, meu pêsames em relação ao seu avô e espero realmente que dias melhores venham. Qualquer coisa pode contar comigo, beijos.

menina disse...

Sinto muito pelo seu avô. E, desculpa se você achar uma merda o que eu vou dizer agora, mas tem pessoas que se entregam e só tem paz quando se encontram (seja lá onde for) com a sua outra metade. Eu passo por isso há quatro anos. Foi ao contrário. Meu avô partiu e minha avó ficou. Ela não tem coragem de se matar e a gente não deixa ela ficar sem comer, mas sempre a vejo chorar de saudades do marido. E de verdade, eu sei que ela não vai estar bem enquanto estiver aqui contra a vontade dela.. Enfim, espero que seu avô esteja num lugar melhor agora e que esteja feliz, se é que existe felicidade ou algum outro lugar além daqui.

É estranho mesmo como, de alguma forma, estamos conectadas sentimentalmente. Você se vendo nas minhas palavras, eu me vendo nas suas.
Chorei ao ler o último parágrafo. Me pergunto também quando eu serei feliz se, aparentemente, já tenho o suficiente para estar bastante contente...Infelizmente ainda não tenho essa resposta.

Sei que não estou sozinha, mas meu lado egoísta clama por alguém ao meu lado fisicamente e, por não ter, eu me sinto sempre só. Acho que vai ser sempre assim.

Desculpa por só falar besteiras. Tá tudo tão errado de tantas maneiras que eu mal sei o que é certo escrever. Só desejo que um dia toda essa coisa ruim passe dentro de nós.

Mandy F. disse...

Nossa, sinto muito, muito mesmo, de verdade. Perdi os meus avós no ano passado. Nunca vou superar isso :(
Meu avô foi primeiro e minha avó também ficou sofrendo assim... Meses depois, ela também se foi :(
O que eu mais quero também é ter uma vida decente, pra ter alguma decência quando eu morrer... É tão difícil!
Espero que a gente consiga fazer bem para as pessoas ao nosso redor.
Se cuida!

Beijo!

PS: esse meu blog é novo porque nao consegui recuperar o antigo.